Fortaleza | MIN: 23˚C / MAX: 32˚C

Dicionário Cearês

Antes de você vir para o Ceará, você deve aprender a falar a língua local. Abaixo o dicionário com algumas palavras e seus significados, que são usadas desde a "mundiça" até o que "só quer ser as pregas". Quanto à fonética, lembre-se que as vogais devem ser abertas e em algumas palavras o "V" é trocado pelo "R", como em "tu RAI pra onde?", também troca o "O" pelo "U", como em "Vou ali fazer uma ligação do URELHÃO.", o "e" pelo "i", como em "Corta a CIBOLA pra mim, por favor?", e a letra "E" se pronuncia "É" e não "Ê", como no sudeste e sul do país.

 

A


ABAITOLADO – Aquele que pode não ser, mas, tem jeito de viado. (Os dicionários de português grafam veado, mas, em cearensês, é viado, com “i”). “O cara parece meio abaitolado”.
ABESTADO – Bobo, Tolo, apalermado.
ABIROBADO (OU ABILOLADO) – Doido no sentido mais suave da palavra. Meio doido, aquele que não bate bem. Maluco.
ABRIR – Ligar. “Chico, abre a luz”.
ABUFELAR – Atitude súbita e firme de agarrar alguém ou alguma coisa. “Abufelou-se mais o bebo e saíram aos trancos e barrancos!”. Agarrar pela gola, agredir.
ACHAR GRAÇA – Rir, sorrir. “A menina achou muita graça na minha piada!”.
ACUNHAR – Chegar junto.
AGORA PRONTO! – Interjeição, significando espanto, indignação, revolta etc…
AGORA DEU! – Ver “Agora Pronto!”
AH, UMA JAULA! – Dito quando alguém fala alguma besteira.
AÍ DENTRO – Resposta a qualquer provocação.
ALENCARINO – Quem nasce no Ceará, a terra de José de Alencar.
ALFINIM – Espécie de rapadura.
ALPERCATA – Sandália de couro.
ALUIR – Mover-se, mexer-se. “Se alui cara, arranja um trabalho!”.
AMANCEBADO (A) – Pessoa solteira que vive maritalmente com outra. O mesmo que amigado (a).
AMANSA-CORNO – Aguardente, cachaça.
AMARELO QUEIMADO – Da cor amarelo-avermelhada. Alaranjado.
AMOJADA – Mulher de peitos fartos. Vaca de bezerro novo com os peitos abarrotados de leite.
AMUFAMBADO – Entocado, escondido: “Vive com o dinheiro amufambado nas virilhas”. Ver mufunfa
AMUNHECAR – Esmorecer, desanimar, perder a coragem.”Você não é cabra de enfrentar um homem como eu, vai amunhecar e é ligeiro!”. Veio, certamente, do jogo de queda-de-braço, onde o jogador que não tiver muita força na munheca (parte da mão em que ela se une ao braço, o pulso) acaba perdendo. Obs. Não é o mesmo que desmunhecar: torna-se efeminado, no português comum.
ANDE, TONHA! – Tanto pode significar um suspiro por um desejo sexual iminente ante uma presença feminina irresistível como pode
exprimir o desejo já satisfeito e deselegantemente divulgado. “Eu ainda pego essa menina e ande, Tonha!…” ou “Eu peguei a menina e ande,Tonha!…”.
ANEL – Ânus, anel, fiofó, carritel. “Aquele ali queima o anel!”.
ANGU – A palavra é de origem africana e significa papa grossa de farinha de milho (polenta) ou de mandioca (pirão), mas, em cearensês, tem também o significado genérico de comida (do menu mais especificadamente). “E aí minha comadre o que vai ser o angu de hoje?”.
AOS EMBOLÉUS – Aos trancos, de forma atabalhoada. “O time está jogando sem esquema de jogo, aos emboléus!”.
APAPAGAIADO – Alguém ou alguma coisa extravagantemente colorido, lembrando um papagaio. “Esta roupa está muito apapagaiada!”.
APERREADO – Aquele que está apressado, aexado, muito nervoso, sem saber o que fazer diante de uma situação difícil.
APERREAR – Encher o saco
APERREIO – Situação vexatória. (Do português formal, porém pouco usado em outras regiões do país).
APETRECHADA – Dotada de beleza física.
ARIAR – Polir através de um processo abrasivo, com areia, lã de aço, ou sapólio (tijolinho feito com um certo mineral).”Menina vá logo ariar as panelas!”.
ARENGAR – Provocar briguinhas, ou intrigas, intimar. “Pai o menino está arengando comigo”.
ARIADO – Perdido, distraído.
ARIGÓ – Matuto, abestado, aquele que não sabe de nada. “Esse cara é um arigó, vai acabar sendo enganado pelos malandros.”
ARRASTA-PÉ – Dança típica do nordeste em que o casal dança com as coxas muito coladas, arrastando os pés para não descolar.Gafieira, rala-bucho. Bate-coxa.
ARRE-DIABO – Interjeição que exprime dor física ou irritação. “Arre-diabo, acho que quebrei a perna!”. Pode significar também aplauso ou admiração. “Arre-diabo, que cavalo pra correr!”. ou interjeição que pode significar qualquer coisa a depender do tom de voz e da ocasião (alegria, irritação…).
ARRE-ÉGUA – O termo mais legitimamente cearense. Interjeição de espanto. “Arre égua que macho feio!”.
ARRE-EMA – Eufemismo para arre-égua. Em desuso porque ninguém acha mais arre-égua um palavrão como achavam antigamente quando criaram o eufemismo para a original expressão cearense.
ARRETADO (A) – Cearensismo por excelência. O maior elogio que se pode fazer a uma pessoa. “O Pelé é um jogador arretado”, quer dizer: é o máximo. “A Xuxa é arretada”, é bonita, inteligente e tudo mais de elogiável que se possa imaginar.Também vale para coisas: “meu carro é arretado”, é muito bom, bonito etc.
ARRIADO – Apaixonado. “O rapaz está arriado dos quatro pneus pela menina!”.
ARRIAR A MASSA – Defecar.
ARRIBAR – Levantar, erguer. “Vamos arribar o móvel devagar”. Linguajar do vulgo, principalmente do sertanejo.
ARROCHADO – Homem metido a valente. Valentão.
ARROCHAR – Enfrentar, bancar o valente, reagir à prisão ou a adversário mais forte. “O cara queria arrochar e a policia acabou batendo nele…”.
ARRUDIAR – Dar a volta.
ARRUMAÇÃO – Teimosia. “ Menino! Deixa de arrumação!”.
ASSANHADO (A) – Despenteado (a).
ASSUNGAR – Levantar aos solavancos. De sopapo.
ASSUNTAR – Procurar ouvir mais sobre o assunto. Mais comum no interior do Estado.
ATRUADO – Perdido, tonto.”O cara perdeu o emprego e está atruado, não sabe o que fazer!”.
AVEXADO – Apressado.
AVIA – Significa um pedido de pressa, rapidez.”Avia homem deixa de ser mole”.

 

B


BABÃO – Quem vive babando (bajulando) os outros. Baba-ovo, puxa-saco.
BABA-OVO – puxa-saco, bajulador, babão.
BABAQUARA – Matuto ou pessoa ingênua, tola, que não sabe de nada.
BABAU – Prejuízo total, perda irrecuperável de alguma coisa.”Pagou serviço adiantado a operário ou advogado, babau, é dinheiro perdido!”.
BADOGUE – O mesmo que baladeira ou estilingue”.
BÃE DE CUIA – No jogo de futebol, corresponde a lençol.
BAGULHO – Pessoa muito feia ou coisa velha e imprestável.
BAITINGA – Gay, fresco. Emprega-se porém, nas brincadeira entre amigos. “E aí seu baitinga, vai me emprestar o carro?”. Viado, Boiola.
BAITOLA – Homossexual. Termo pejorativo, insultante, muito usado nos xingamentos entre os rapazes.”Deixa de ser mole cara, parece que é baitola…”.
BAIXA DA ÉGUA – Hipotético lugar pra onde se manda pessoas que estão nos chateando. “Deixe de me encher o saco cara, vá pra baixa da égua”.
BAIXAR O SARRAFO – Açoitar violentamente, surrar.
BALADEIRA – Estilingue, atiradeira.
BALAIO-DE-GATO – Coisa ou situação muito confusa. Bagunça. “Vamos parar com estas brigas! Esta casa está virando um balaio-de-gatos!”.
BALDEAR – Perturbar, Atrapalhar.
BARRUADA – O mesmo que abalroamento. Colisão de veículos.
BAQUEADO – Fraco, adoentado, triste.
BATE-COXA – Dança do tipo arrasta-pé em que o casal fica muito colado (com as coxas juntas). Considerada sacanagem.Gafieira, rala-bucho. Arrasta-pé.
BATER A CAÇULETA – Morrer.
BATER FOFO – Faltar a um encontro, descumprir algum acordo.”Marquei um encontro com a menina e ela bateu fofo”.
BATER O CATOLÉ – Morrer, passar dessa para melhor.”Já está mais do que na hora desse velho bater o catolé! “.
BATORÉ – Indivíduo baixinho, tamborete-de-forró, tampinha.
BEBO – Bêbado, cachaceiro.
BERADEIRO (BEIRADEIRO) – Matuto, caipira. Literalmente é aquele caboclo que anda na beirada da estrada, de cabeça baixa, não pára, não pede carona ou cumprimenta quem passa.
BESTA – Tanto serve para designar pessoas tolas, ingênuas, quanto para ironizar com pessoas metidas a importantes “Só porque foi eleito vereador agora está metido a besta…”
BICHA – Qualquer coisa, qualquer objeto. “Menino me traz essa bicha aí!”. 2. Viado, baitola, homossexual (masculino).
BICHIM – Tratamento carinhoso. Vale tanto para animais como para crianças. “Deixa o bixim em paz”
BILA – Bolinha de gude.
BILOTO – Botão.
BIRITA – Bebida, principalmente cachaça. Existem inúmeros apelidos para essa bebida. Veja cachaça.
BIRITEIRO – Aquele que bebe todas. Bebo. Alcoólatra.
BIRÓ – Doido, alienado. “Parece que está biró…” Abreviatura de abirobado.
– Vamos embora.
BOCA QUENTE – Lugar perigoso.
BOÇAL – Gente metida à besta (superior aos outros), que só quer ser o cão comendo mariola.
BOCÓ – Pessoa que não entende de nada. Ignorante completo.
BOGA – Ânus, anel, fiofó, carretel. “Este menino dá o boga!”.
BOITATÁ – Papa-figo, bicho-papão. Monstro imaginário que os pais utilizavam para assustar os filhos na tentativa de controlar os mais impulsivos. “Vai dormir menino, é hora do boitatá andar apor aí!”.
BOTA UMA AÍ – Se você deseja uma cachaça, é assim mesmo que se pede no Ceará. Não precisa dizer mais nada. Veja cachaça e conheça as mais diversas denominações dessa bebida.
BOTAR BUNECO – Criar caso, fazer confusão por pouca coisa. “O homem botou o maior boneco pra pagar!”. A expressão vem dos bonequeiros do Cariri (região do interior do Ceará), como eram chamadas as pessoas que trabalhavam com teatrinho de fantoches (mamulengos). As peças sempre apresentavam bonecos valentes que brigavam muito. Daí essa comparação.
BOTAR PRA MOER – Resolver uma coisa de maneira firme, decidida. Pode ser uma questão de briga, um serviço para executar ou coisa semelhante. “Eu vou resolver essa parada, vou botar pra moer em cima desse vagabundo”.
BRABA – Situação muito ruim. “A inflação voltou e a vida do trabalhador esta braba!”.
BRABEIRA – Lugar ou situação perigosa. “Rapaz, o negócio aí é a maior brabeira…”.
BRABO – De bravo, naturalmente) Gente irritadiça ou valente. “O pai da moça é brabo, é bom não se meter com ele!”.
BREADO – Melado, sujo.
BRECHA – Espaço entre as pernas mal cruzadas de uma garota que permite a rapaziada ver um pouco além. “A menina está dando a maior brecha”.
BRECHAR – O mesmo que espiar, olhar disfarçadamente."Esse rapaz gosta muito de brechar as garotas trocando de roupa”.
BRECHEIRO (A) – Quem gosta de brechar.
BREGUEÇO – Objeto imprestável ou de uso duvidoso. “Menino limpa este quarto que tá cheio de bregueço”
BRENHA – Lugar muito longe da cidade, no meio do mato. “É metido a rico mas, mora nas brenhas!”.
BRIBA – Pequena lagartixa caseira. Provavelmente o nome vem de víbora, pois há quem julgue o pequeno réptil venenoso embora seja
inofensivo.
BRÔCO – Pessoa que não entende o que se diz, em razão da idade ou não. Esclerosado. Caduco. Abestado. “Este velho já está brôco, não diz mais coisa com coisa”.
BROCOIÓ – Envergonhado com alguma coisa. Encabulado.
BRONHA – Masturbação masculina.
BRUGUELO – Recém nascido ou criança muito nova. “Eu já sou pai, nasceu o meu bruguelo!”.
BUFUNFA – Dinheiro, grana. “Cadê a bufunfa do jogo?”.
BULIÇOSO – Pessoa que mexe em tudo.
BULIDA – Mulher que perdeu a virgindade.
BULIR – Azucrinar, aporrinhar, apoquentar , cacetear, aborrecer. Mas, também tem o sentido de mexer com alguma coisa. “Menino não vá bulir aí”.
BUNDA-CANASTRA – Cambalhota em que o indivíduo se apóia com as mãos ou com a cabeça.
BUNEQUEIRO – Quem bota boneco (ver “botar buneco”).
BUNITIM – Ficar embriagado, bêbedo, bêbo, cheio-dos-paus, trubiscado. “Eita, o homem hoje esta bunitim!…”.
BURRIM – arrafa de Refrigerante 290ml (KS) cheia de cachaça.
BURRO-DE-CARGA – Cabra trabalhador. Aquele que topa todo tipo de trabalho sem reclamar.”O Zé é um burro-de-carga, trabalho é com ele mesmo”.
BURUNDANGA – Coisa imprestável.


C


CABAÇO – Menina/Mulher Virgem .”A menina é zero-cabaço!”.
CABEÇA-CHATA – A origem desse apelido se perde no tempo. Especula-se que se deve a isso ou aquilo. Na formação da cabeça necessariamente não é. Outros nordestinos e até povos de outros países têm o mesmo tipo de crânio. O historiador Gustavo Barroso nos dá uma luz para a questão. Os milicianos cearenses que lutaram na época da Independência do Brasil, combatendo a tropa do major português Cunha Fidié que dominava o interior das províncias do Piauí e Maranhão, usavam gorros militares achatados enquanto os portugueses usavam barretes afunilados e pontudos. Por isso apelidaram os cearenses de cabeças-chatas.
CABRA – Homem, caboco.
CABRA-DA-PESTE – Homem valente, intrépido, afoito.
CABRA-MACHO – Ver “Cabra-da-Peste”
CAÇOAR – Temo muito antigo. Significa mangar, zombar, troçar, fazer chacota de alguém. “Mãe, a menina está caçoando de mim!”.
CAGAÇO – Bronca, carão, repreensão.”Levei o maior cagaço do chefe porque cheguei atrasado.”
CAGADO – Pessoa que tem muita sorte, sortudo. “O cara é um cagado, já ganhou duas vezes na loteria”.
CAGADO E CUSPIDO – Indivíduo muito semelhante a outro. Igualzinho. Dizem vir da expressão “Encarnado e Esculpido”.
CAGAR-O-PAU – Fazer uma coisa muito mal feita. Colocar alguma coisa a perder. Dar mancada. “O meu time cagou-o-pau” ou seja: jogou muito mal.
CAI-DURO – Sanduíche ou cachorro-quente de qualidade duvidosa.
CAJUINA – Bebida típica, produzida a partir do suco de caju e sem nenhum teor alcoólico. Produto absolutamente natural, quando feito da maneira tradicional, com o cozimento do suco para evitar a fermentação.
CALDO DE BILA – Brincadeira que se diz quando um caldo é muito sem gosto, sem consistência ou tempero. “Parece mais um caldo de bila” (Ou seja, preparado com as pequenas esferas de vidro que os meninos usam para brincar de gude e que, obviamente, não dariam gosto nenhum ao caldo). 2. Qualquer coisa muito fraca. “Esse jogador é mais fraco do que caldo de bila!”. (veja bila).
CALOMBO – Mondrongo.Caroço na pele, geralmente um lombinho (quisto sebáceo subcutâneo).
CAMBADA – Turma, grupo etc. Pode ter conotação pejorativa ou carinhosa: “Cambada de ladrões” ou “Cambada de amigos”.
CAMBIRIMBA – Lugar longe ou indefinido. “O cara mora lá nas cambirimbas, ninguém sabe onde é…”
CAMBITO – Pernas muito finas. “Essa menina mal consegue se equilibrar nos cambitos e ainda usa salto alto!”.
CANELAU – “Gentinha”. Ralé. Gente mal vestida. “Não sei como uma menina tão bonita gosta de um cara tão canelau”.
CÃO CHUPANDO MANGA – Pessoa feia demais.
CÃO COMENDO MARIOLA – Expressão muito usada em forma de desafio. “Eu não tenho medo nem do cão comendo mariola”. Ou seja, de alguma coisa ou de alguém muito perigoso ou importante. Também se diz criticado aquele que se tornou boçal, esnobe. “Foi eleito vereador e agora só quer ser o cão comendo mariola!”.
CAPAR-O-GATO – Não se trata de fazer nenhum mal aos gatinhos. Significa: ir embora, fugir de alguma situação, “se mandar”.
CAPIONGO (A) – Triste, melancólico. Acabrunhado. “Depois que a mulher morreu, ele ficou muito capiongo!”.
CAPITÃO – Pequeno bolo de farinha, feijão mulatinho e toucinho (toicinho) feito com as mãos e comido imediatamente. Parecido com o quibe.
CARA DE BICHO – Zangado (a), com muita raiva. “Quando soube do nosso namoro o pai dela ficou com uma cara de bicho!”.
CARÃO – Bronca, reclamação enérgica contra alguma coisa mal feita. “O teu pai vai te dar um carão…”
CARAÔI – Corruptela de caolho (ou caraolho), estrábico, indivíduo com desvio ocular, que não consegue controlar os eixos visuais (a denominação é mais comum para os que possuem o estrabismo convergente, eixos visuais voltados para o centro).
CARNE-DE-TETÉU – Indivíduo miserável e egoísta que não dá nada nem faz nada por ninguém. “Esse governo é carne de tetéu, não dá aumento de salário há oito anos…”.
CARRITEL – Ânus, boga, anel, fiofó. “Esse aí dá o carritel!”.
CARTEIRA DE CIGARROS – Maço de cigarros.
CASA DO CHICO – Lugar distante, perto da baixa da égua.
CASAMENTO-DA-RAPOSA – Situação climática curiosa em que sol e chuva se apresentam ao mesmo tempo.
CASCUDO – Forte pancada na cabeça de alguém (quase sempre nos coitados dos meninos), com o dedo médio dobrado. Diferente do coque ou cocorote (veja em item posterior) o cascudo tem uma intenção de, no mínimo, provocar dor.
CATIRIPAPO – Pancada, porrada. “Vem que eu te dou um catiripapo”.
CATIROBA – Vadia, gato véi, mulher feia.
CATREVAGEM – Coisa imprestável ou muito feia. Usada também em xingamentos. “Vai lá catrevagem”.
CEARÁ – Não se pode afirmar com precisão, mas a maioria dos historiadores emite opiniões semelhantes. Segundo José de Alencar, no Romance Iracema, o nome foi formado de: cemo (tupi) que significa cantar alto e de ará, uma pequena arara também denominada jandaia. Ceará seria então o canto da jandaia ou a terra onde a jandaia canta alto. Teodoro Sampaio (autor de: O Tupi na Geografia Nacional) tem praticamente a mesma opinião só que traduz ará por papagaio o que em termos de tradução está certo, pois ará não é um termo tupi específico.
CEARENSE – O certo seria “cearaense” como paraense, piauiense etc. (Seguindo a gramática portuguesa) Mas, o cearense tem a sua própria gramática e acaba ficando do jeito que ele quer. Assim, cearense entrou como o termo certo, no dicionário, para designar quem nasce no Ceará e estamos conversados.
CELULAR – Garrafa de aguardente em embalagem de bolso. A analogia com celular é mais uma sátira do cearense com os portadores desses aparelhinhos que parecem mais viciados por eles do que os cachaceiros pela bebida. Anteriormente essas garrafinhas (de 1/4 de litro) eram chamadas de quartota.
CEROTO – ujeira na pele por falta de banho. “O menino não toma banho e está com muito ceroto!”.
CHAPA – Radiografia; dentadura.
CHAPÉU DE TOURO – Chifre.
CHAPULETADAS – Tapas.
CHARLAR – Corresponde ao que hoje se chama fazer charme. “O cara vive aí charlando pra cima das minhas irmãs”. A origem é curiosa, tudo indica que foi devido a um jogador de futebol (um dos pioneiros na introdução desse esporte no Brasil) chamado Charles Muller que tinha muita classe ou seja, habilidade com a bola. Daí para charlar, fazer classe, foi um pulo. Depois se estendeu para outros sentidos fora da linguagem esportiva.
CHECHEIRO – Quem passa checho.
CHECHELENTO – Nojento, cheio mazelas resultantes de falta de asseio, curubento.
CHECHO – Deixar de pagar os serviços de uma prostituta. Correr do pagamento. “Cabra checheiro eu ainda te pego”.
CHEI DOS PAU – Muito bêbedo, totalmente embriagado.
CHIBATADA – Corsa, prorrada, pisa, peia. “Sai daqui se não te dou uma chibatada”
CHINELAR – Andar bem rápido. Pisar fundo no acelerador do carro.
CHULIPA – Dar uma passada rápida e violenta, embora sem intenções de machucar, com o dedo indicador na orelha de alguém (normalmente de meninos).
COISAR – Verbo que serve como substituto daquele que a pessoa esquece ou não quer, exatamente, usar. “Acho que essa menina está coisando com o namorado!…”. “Acho que este leite está coisado (estragado)!”. “Mulher que não sabe coisar acaba perdendo o marido!…”.
COM O RABO ENTRE AS PERNAS – Desconfiado, sem jeito. A expressão vem da atitude do cachorro quando faz alguma coisa que intuitivamente sabe que o dono não gosta e fica com o rabo literalmente entre as pernas, nitidamente desconfiado.
COM QUANTOS PAUS SE FAZ UMA JANGADA – Expressão que pode demonstrar, desafio, hostilidade, valentia.”vou mostrar a você com quantos paus se faz uma jangada”. Se você ouvir isso de um cearense, nem peça mais explicações, saia correndo. Pode no entanto, ser uma simples promessa de resposta a um desafio qualquer sem muita importância. “Você ganhou o jogo de
hoje, mas, amanhã eu vou mostrar com quantos paus se faz uma jangada!”.
COMÍ QUE FIQUEI TRISTE – Comer demais. Encher o bucho. Ficar empanzinado. Empapuçado.
COCOROTE – Pancada na cabeça com o dedo médio dobrado. Ver Cascudo.
COROCA – Pessoa caduca. Usa-se muito ofensivamente. “é uma velha coroca”’.
CORRALINDA – Coisa linda, pessoa bonita.
CORRER FROUXO – Ter em abundância. “Ali o dinheiro corre frouxo”.
COURO DE PICA – Expressão que indica alguma coisa que não se resolve, não ata nem desata. “O noivado desses dois é igual a couro de pica, acaba e volta, volta e acaba”.
CRIADO A PÃO-DE-LÓ – Expressão irônica para denominar filhos muito bem cuidados pelos pais ou mesmo animais de estimação muito mimados. “Aquele é criado a pão-de-ló…”
CRUZETA – Cabide para camisas e calcas.
CU DE CANA – Cachaceiro.
CU DOCE – Pessoa (principalmente mulher) que se faz de muito difícil, gente besta, pedante.
CUMELÃO – Garanhão.
CURRIOLA – Turma. Grupo de amigos.
CURUBA – Coceira persistente provocada por algum microorganismo que penetra na pele.
CURUBAU – Ver Canelau.
CURUBENTO – Aquele que vive acometido de curuba ou está sempre se coçando.
CURURU – Nome de grande sapo do Nordeste Brasileiro. 2. Desafio entre violeiros dessa região.
CUSTAR – Demorar. “O ônibus está custando muito”.
 

D

 

DA MOLESTA – Indivíduo muito bom em alguma coisa.”Eita cabra bom da molesta”. Expressão típica do matuto iletrado.
DANAÇÃO – Travessura, diabrura, estripulía, raiva, confusão, balbúrdia, trapalhada. “Esses meninos só fazem danação o dia inteiro”.
DANADA – Pessoa inquieta, que não fica parada.
DAR BODE – Confusão, encrenca. “Mexer com essa menina pode dar o maior bode!”.
DAR CABIMENTO – Dar liberdade, intimidade.
DAR O GRAU – Caprichar. “Pode deixar que vou dar o grau no seu carro”
DAR O MAIOR 10 – Gostar muito, Dar o mó valor..
DAR O PINOTE – Irritar-se com alguma coisa, responder a alguma provocação. “A moça deu o pinote quando eu disse que ela era gostosa!”.
DAR O PREGO (NO INFINITIVO) – Quebrar, desmantelar, pifar. “o carro deu o prego”.
DAS TRIPAS CORAÇÃO – Empenhar-se o máximo possível. “Eu fiz das tripas coração para ajudar o time a vencer!”.
DE LUA – De fase. Pessoa que tem um comportamento instável. “Esse cara é de lua, um dia está simpático o outro está com uma cara de bicho!”.
DE MUTUCA – Ligado em alguma conversa, de ouvidos bem atentos “É bom ficar de mutuca ligada na conversa dessa menina…”. 2. Mutuca também é a denominação de um mosquito comumente encontrado nas margens de lagoas.
DE PRIMEIRO – Antigamente. “De primeiro eu gostava de futebol, agora eu detesto!”.
DE VERA – De verdade. “Esse carro é bom de vera!”.
DEDADA – Cutucar a bunda de alguém com o dedo.
DERRUBADO(A) – Local ou pessoas feias ou em más condições: “Essa menina é derrubada” “Este bar é derrubado”
DERRUBAR – Deixar cair algo no chão.
DESARNAR – Tornar-se mais esperto. “Quando esse jogador desarnar pode se tornar um verdadeiro craque!”. (Veio, certamente, de desasnar: tirar do erro, ensinar).
DESCABAÇAR – Desvirginar, tirar o cabaço.
DESCABRIADO – Desanimado.
DESCATITAR – Quebrar, arrebentar. “O meu carro bateu e está todo descatitado”.
DESENXAVIDO (A) – Sem graça. “A piada com o modo dele andar deixou o rapaz desenxavido”.
DESMILINGÜIDO – Sem graça. “O Cara ficou todo desminlingüido quando eu falei que sabia de tudo”. Desarrumado. Desajeitado.
DESUNERAR – Liquefazer-se. Quando uma substância perde a consistência normal. “A gema do ovo está desunerada, não serve mais”. “O menino está passando mal, acho que está desunerado” (A comida foi mal digerida, desunerou).
DIABÉISSO? – O Que diabo é isso? O Que é isso? Expressão, debochada, de espanto. “Diabéisso menina, que saia curta é essa?”.
DIABO-A-QUATRO – Tem tudo, faz tudo, pode tudo. “O homem é rico tem casas, carros, barcos e o diabo-a-quatro”.
DIN-DIN – Picolé caseiro produzido com suco de frutas congelado, diretamente, na embalagem (saquinho plástico fino e comprido).
DISCO VOADOR – Ovo frito sem romper a gema.
DO TEMPO DO BUMBA – Expressão curiosa e em desuso (Bumba talvez venha de “Bumbameu-boi”, bailado popular muito tradicional). Significa coisa ou pessoa muito velha. Também se refere a antigas expressões em desuso. “Esse carro não presta mais, é do tempo do Bumba.
DOIDIM – Doidinho. Pessoa simpática meio amalucada.
DOIDO PRA MATAR O VERME – Tirar o atraso de algo que se gosta.
DOMARIA – O mesmo que Dona Maria (acima).
DONA MARIA – Qualquer senhora desconhecida. “Dona Maria a senhora pode me dar uma
informação?”.
DOR DE VIADO – Dor no baço.
DORMIR COM O COURO QUENTE – Refere-se à ameaça, geralmente do pai ou da mãe, de castigar os filhos com pancadas. “Menino ou você faz o que eu mando ou vai dormir com o couro quente!”.


E


EGUAR – Vagabundear. “O cara vive aqui eguando o dia todo”.
EM RIBA – Em cima, no alto. Linguagem do sertanejo.” O Menino está lá em riba da casa!”.
EMBANANADO – Atrapalhado, confuso. “A prova não foi difícil, mas eu fiquei todo embananado e não fiz nada…”
EMBIOCAR – Meter-se em algum lugar difícil de achar. “Onde esse menino se embiocou?”.
EMBOLÉU – Briga, confronto, discussão acirrada. Veja: aos emboléus.
EMBUANÇA – Encrenca, briga. “Esse rapaz só vem aqui pra fazer embuança!”.
EMPAIAR – Atrapalhar, fazer alguém perder tempo. “Essa mulher não compra nada e fica só empaiando o vendedor!”.
EMPAZINADO – Que comeu além da conta.
EMPIRIQUITAR – Tomar um banho de loja, se arrumar.
EMPRIQUITAR – Cismar, não aceitar.
ENCABULADO – Envergonhado, acanhado. “O rapaz é tão encabulado que não pega nem na mão da menina!”.
ENCANGADO (A) – Pessoa que anda agarrada com outra o tempo todo. “Pra viver encangada no homem assim, só pode ser fuampa!”.
ENCARNADO – Vermelho.
ENGABELAR – Enganar, iludir. “Essa menina está me engabelando…”
ENGOMAR – Passar roupa.
ENRABICHADO – Apaixonado.
ENREDAR – Delatar, entregar o outro, caguetar, cabuetar.
ENROLÃO – Quem engana as pessoas. Vigarista. “Esse político é um enrolão!”.
ENTOCADO – Na toca, escondido. “O velho tem muito dinheiro entocado…”.
ENTREGAR A RAPADURA – Cearensismo por excelência. Significa: desistir, renunciar a alguma coisa. “Meu time tinha todas as condições de vencer e acabou entregando a rapadura” ou seja, perdendo o jogo.
ENXERIDO – Metido, xereta.
ERRADO – Desordeiro, arruaceiro.
ESCABEFADO – Muito cansado, esbaforido.”Os jogadores estão escabefados e o jogo não termina!”
ESCAMBAU – Tudo, todo mundo, um mundo de coisas. “Na loja tem o escambau”. Refere-se também a pessoas, grupos ou corporações: “pode chamar o escambau que eu não saio”. Significa: pode chamar a polícia, o exército ou seja lá quem for. Escambau veio, provavelmente, de escambo (antiga prática): troca direta de mercadorias. Quem praticava o escambo trocava de tudo, tinha de tudo.
ESCANCHADO – Com as pernas arqueadas em volta de alguém. “Um menino tão grande como este e ainda vive escanchado na mãe!”.
ESCOTEIRO – Significa alguma coisa que a gente come sem nada para acompanhar. “…E eu vou comer esse arroz assim escoteiro?”, isto é, sem feijão ou qualquer outra coisa. Talvez tenha alguma relação com os escoteiros pelo fato deles portarem somente cantis com água.
ESCRACHADO – Esculhambado. Pode ser algo avariado ou imprestável e, por outro lado, alguém mal-educado ao extremo.
ESCROTO (A) – Pessoa chata, ruim, inamistosa. Dos objetos ruins também se diz o mesmo. “Cara escroto não me emprestou o dinheiro” ou “Essa roupa é muito escrota, mal cabe em mim”.
ESCULHAMBAÇÃO – Confusão, anarquia, balbúrdia.
ESCULHAMBADO – Relativo à esculhambação. Aquilo que está fora de ordem, quebrado, estragado. “Você esculhambou o meu carro”, quebrou, bateu, o carro.
ESFOLADO – Machucado, estropiado. “Foi jogar bola e voltou com o dedo todo esfolado!”. 2. Muito mal vestido, maltrapilho. “O cara só anda todo esfolado!”.
ESGALAMIDO – Que come mais do que todo mundo, que tem os olhos maiores do que a barriga.
ESPARRO – Reclamação violenta, carão, esbregue (ou esbrega). “Quem faz serviço mal feito acaba levando um esparro”.
ESPILICUTE – Pessoa muito vaidosa, faceira, afetada.
ESPRITADO – Pessoa muito irritada e procurando briga. Certamente vem de espírito. Ou seja, pessoa possuída por espíritos malignos.”O homem está espritado!”.
ESTRIBADO – Montado na grana. Com muito dinheiro.”Acertou no bicho e está estribado!”.
ESTRIPULIA – Danação de menino levado, travessura.”Os meninos já estão fazendo estripulias no quintal!”.
ESTROVENGA – Coisa esquisita, estranha, não confiável. “Eu acho o avião uma estrovenga perigosa!”.
ESTRUIR – Estragar alguma coisa. Certamente vem de “destruir”, com a pronúncia preguiçosa, inculta, mas, gostosa dos nossos sertanejos.


F


FAJUTO – Ruim, de má qualidade, falso.
FALAR ÁGUA – Falar bobagem, abobrinha, miolo de pote. “O Cara só fala água, não tem uma palavra que se aproveite…”.
FANABÔ – Tênis. Denominação muito antiga para esse calçado.
FARINHA DO MESMO SACO – Pessoa de caráter igual ao de outra (geralmente se diz de pessoa de maus-caracteres).
FAROFA – Iguaria feita com farinha de mandioca torrada na manteiga com cebola e outros temperos.
FAZER HORA COM A CARA – Fazer gozação.
FAZER MAU – Desvirginar. “Ele fez mal à moça”.
FAZER MERCANTIL – Fazer a Feira.
FAZER SABÃO – Sexo entre lésbicas.
FECHAR – Desligar. “Menino fecha a luz”
FECHICLER – Zíper.
FEIRINHA – Concentração de barracas vendendo comidas, bebidas, artesanato etc., geralmente em praças públicas.
FEITO NAS COXAS – Coisa mal feita, mal acabada, defeituosa.
FELA DA GAITA – O mesmo que fila da puta, fela da puta ou filho da puta.
FELA DA PUTA – Corruptela de filho da puta.
FERRADO – Lascado, sem dinheiro. “Perdi todo o dinheiro, estou ferrado!”.
FICAR NO CANTO – Ser deixado de lado. Geralmente ocorre quando nasce uma criança e o irmão mais velho passa a receber menos
atenção. “Depois que o outro filho o bichinho ficou no canto!”.
FILA DA PUTA – Corruptela de filho da puta.
FILÉ-DE-BORBOLETA – Pessoa muito magra.
FILHO DE UMA ÉGUA – Gradação de filho da puta.
FILMAR – Observar curiosamente. “Eu estava conversando com a menina e o curioso ficou o tempo todo filmando!…”.
FIOFÓ – Ânus, boga, anel, carritel “Este menino queima o fiofó!”.
FIZ QUE IA NÃO FOI E ACABEI FONDO – Trata- se de uma expressão criada pelo jogador Dedeu, antigo craque lá das bandas de Sobral, quando já estava jogando pelo Náutico de Recife. Um repórter recebeu de Dedeu exatamente essa explicação para uma jogada
espetacular do jogador: “ Eu fiz que ia não foi e acabei fondo. A expressão tomou logo lugar no linguajar cearense.
FLOZÔ – Ficar de flozô, atoa, sem fazer nada.
FOGOIÓ – Quem tem o cabelo originalmente avermelhado (ruivo). Certamente vem da comparação com fogo, a cor do fogo.
FOI MAL – Perdão.
FOLÓ – Frouxo. “esta roupa está muito foló!”.
FOMINHA – Alguém que só quer tudo pra si. Sovina, avaro. (Outros: avarento, miserável, migalheiro, pica-fumo, muquirana, unha-defome, morrinha, seguro, zuraco, pão-duro, tranca, esganado, agarrado, mão-de-vaca, mão-fechada).”Esse jogador é muito fominha,
só quer a bola pra ele!”.
FORRÓ E FORROBODÓ – “Forró” é um ritmo genuinamente nordestino e mais do que nunca em evidência. A origem é muito antiga, o forró foi apresentado ao país nos anos 40 por Luiz Gonzaga.
FORTALEZA – Esse nome veio, certamente, do fato da cidade ter nascido em volta de uma fortaleza. Na última invasão holandesa, Matias Beck fundou o Forte Schoonenborch e uma vila às margens do Riacho Pajeú. Essa vila cresceu e se tornou a capital do Ceará. A primeira capital, no entanto, foi Aquiraz, cidade próxima a Fortaleza que guarda muitos detalhes do período colonial.
FRANGOTE – Rapaz ainda na adolescência, com menos de vinte anos. “Essa frangote pensa que é homem!”.
FRESCAR – Fazer uma brincadeira. “Se zanga não, tô só frescando”.
FRIVIÃO – Inquietação, principalmente de criança. “Esse menino parece que está com um frivião no fundo!”.
FUAMPA – Mulher vadia, meretriz, que anda com muitos homens. “Se aquela fuampa olhar pro meu marido eu esgano ela!”. Ver Catiroba.
FULEIRAGEM – Gente sem expressão, gentinha. Pode também se referir a qualquer coisa feia, mal feita, mal acabada etc. “O teu carro é uma fuleiragem”.
FULEIRO – Ordinário, ruim. Mas pode ser também pessoa muito irreverente, brincalhão, depende do sentido da frase. “O cara é muito
fuleiro, só falta matar a gente de rir”.
FULERAGE – Ver Fuleiragem.
FULO OU FULO DA VIDA – Com muita raiva. “Eu estou fulo da vida com esse novo presidente do Brasil!”.
FUMANDO NUMA QUENGA – Puto da vida.
FUTRICA – Brincadeira ou conversa fora de hora, confusão, intriga. “Acabem com essa futrica e voltem logo ao trabalho”.
FUTRICAR – Mexer, investigar, fazer confusão. “Essa mulher vive futricando a minha vida”.
FUXICO – Inventar coisas a respeito de alguém ou contar verdades, porém sempre com o intuito de indispor uma pessoa com outra.

 

G


GALINHA À CABIDELA – Galinha ao molho pardo.
GARAPA – É o sumo da cana-de-açúcar. Também pode ser o resultante da mistura de rapadura (raspada) com água. Usa-se também
como sinônimo de refresco muito doce.
GASGUITA – Mulher com voz esganiçada.
GASTURA – Mal estar.
GATO – Rapaz charmoso, bonito. 2. Rapariga, garota de programa, amante ou concubina, gato véi.
GATO RÉI – Ver Catiroba.
GAZEAR AULAS – Faltar às aulas sem motivos justos. “Matar” aulas.
GENTE BONITA QUE NEM PRESTA – Concentração de pessoas bonitas.
GENTINHA – Expressão preconceituosa dirigida às pessoas pobres e de famílias sem tradição.
GIGOLETE – Passadeira, diadema, arco.
GILETE – Indivíduo que pratica relações sexuais com pessoas de ambos os sexos. Bissexual.(analogia muito clara com o fato de a gilete cortar dos dois lados).
GOMA – Um dos subprodutos da mandioca. Muito utilizada para fazer tapiocas.
GOROROBA – Qualquer substância indefinida ou desconhecida. Usa-se mais se referindo às comidas estranhas. “Que gororoba é esta que você está comendo?”.
GOTA SERENA – Expressão das mais curiosas usada, principalmente, nos juramentos. “Quero cegar da gota serena se torço pelo Fortaleza!”.
GRELADO – Concentrado.
GUABIRU – (ou gabiru) Rato de tamanho avantajado, gatuno.
GUARIBADA – Dar uma caprichada.
GUARIBADO – Carro velho todo arrumadinho.


I


IGNORANTE – Dependendo da frase pode significar: grosseiro, malcriado, estúpido. “O Seu Lunga é o cabra mais ignorante do Ceará”.
IGUALZINHO – Indivíduo muito semelhante a outro. Cagado e cuspido.
IMBIRA – Pedaço de cipó ou punho de rede usado para segurar as calças.
INFERNO DA PEDRA – Lugar tão longe que ninguém sabe nem dizer onde fica.
INGEMBRADO – Torto.
INHACA – Mau cheiro.
INJEITAR – Corruptela de rejeitar.
INTIMAR – Outro termo que foge do significado normal do português (citar, notificar etc.) e toma uma conotação de implicar, provocar, insultar. Muito usado entre crianças. “Mãe o menino está intimando comigo”.
INVOCADO – Corajoso.
ISPRITADO – Enfurecido.

 

J


JABURU – Pessoa muito feita. “O cara é muito feio, parece um jaburu!”.
JARARACA – É uma cobra muito venenosa. Daí a expressão que chama mulheres faladeiras e briguentas de jararaca.”A tua mulher é uma jararaca!”.
JERIMUM – Abóbora.
JOÃO-NINGUÉM – Pessoa sem nenhuma expressão, insignificante, rola-bosta. “Esse sujeito não é nada na vida é um joão-ninguém!”.
JOGAR NO MATO – O mesmo que colocar no lixo. A expressão, certamente, vem do fato do habitante do interior (sertão) realmente jogar o lixo no mato em volta da sua casa ou seja literalmente no mato. Ver Rebolar no mato.
JUDIAR – Maltratar, torturar.
JURURU – Acabrunhado, encabulado, abatido, envergonhado, cabisbaixo. “A namorada botou chifre nele e ele anda meio jururu!”.

 

L


LABIRINTO – Arte em tecido, principalmente toalhas de mesa. Os desenhos são obtidos com a retirada de fios do tecido.
LERIADO – Conversa fiada.
LETRECA – Cafona, coisa velha.
LISO – A pior ofensa para um cearense. É muito mais que uma pessoa sem dinheiro. O liso está para o cearense assim como o “looser” está para o americano.
LORÉU – Carro Velho.
LUNDU – Mal humor. Estar de lundu.


M


MACHO RÉI – cara, amigo, ô meu…
MAGOTE – Bando, grupo.
MALAMANHADO – Mal vestido, desajeitado.
MALDAR – Interpretar no mau sentido.
MANGAR – Ridicularizar.
MÃO DE VACA – 1. Cozido feito com a canela da vaca, acompanha pirão e arroz branco. 2. Murrinha, miserável, fominha, etc.
MARMOTA – Coisa estranha.
MEIOTA – Meia garrafa de cachaça. Ver Burrim.
MELADO – Bêbado.
MERENDAR – Lanchar.
MEROL – Bebida.
MEUZÓVO – Expressão de discórdia, uma ova. “Juca é um político honesto”
MININO RÉI AMARELO – Criança chata.
MIOLO DE POTE – Coisa sem importância.
MOÇA – Mulher virgem.
MÔCO – Surdo. Mouco.
MÓI DE CHIFRE – Corno.
MORRER DE – Cansar de fazer algo.
MUGUNZÁ – Comida feita de milho branco, leite, açúcar e canela.
MUNDIÇA – Gente pobre, plebe rude.
MURIÇOCA – Pernilongo.
MÚSICA PRA QUEM TEM MÃE NA ZONA – Música brega.

 

N


NÃO DÁ UM PREGO NUMA BARRA DE SABÃO – Não faz nada, é um preguiçoso.
NOME FEIO – Palavrão.
NUM FRESQUE NÃO! – Pare com essa brincadeira!

 

P


PAI D´ÉGUA – Porreta, legal, bacana.
PAIA – O mesmo que brega ou o mais popular peba.
PAMONHA – Espécie de bolo, feito com a massa do milho verde, cozida na própria palha, que é amarrada nas extremidades, formando uma bolsa. 2. Pessoa tola que todo mundo faz de trouxa. “Aquele cara é um pamonha”.
PANELADA – Prato feito com tripa e bucho de boi.
PÃO D´ÁGUA – Pão de massa grossa. Bengala.
PÃO SOVADO – Pão de massa fina.
PÃO-DURO – Alguém que só quer tudo pra si. Sovina, avaro. (Outros: fominha, avarento, miserável, migalheiro, pica-fumo, muquirana,
unha-de-fome, morrinha, seguro, zuraco, pão-duro, tranca, esganado, agarrado, mão-devaca, mão-fechada).
PAPANGU – 1. Pessoa fantasiada para o carnaval ou outras festas populares. 2. Abestado, tolo, otário.
PAPEIRA – Caxumba.
PAPEL DE ENROLAR PREGO – Pessoa grosseira.
PAPOCO – Explosão, grande estrondo.
PARRUDO – Forte, musculoso. “Acho bom você não desafiar esse cara, ele é muito parrudo!”.
PASSARIM – Forma descuidada ou preguiçosa de falar passarinho, a pequena ave.
PASSARINHA – Baço de boi.
PASTINHA – Franja.
PASTORAR – Vigiar, espreitar alguém (Termo mais usado nas cidades do interior e no campo). “Eu passei o dia pastorando pra ver se a raposa vinha comer as minhas galinhas!”.
PAU DA VENTA – Nariz. “Não brinque comigo, senão vai acabar tomando um murro bem na pau da venta!”.
PAU-DE-ARARA – Pau utilizado, para transportar aves, principalmente galinhas amarradas. 2. Caminhão toscamente adaptado para o transporte coletivo, com uma carroceria, coberta por um encerado, onde são colocadas tábuas paralelas para servirem de assento. 3. Objeto usado (ilegalmente) na de tortura de presos. Nesse caso, trata-se de um pau roliço que é passado entre os joelhos e cotovelos flexionados, utilizando-se ainda dois suportes para suspender a vítima de cabeça para baixo.
PÉ DE MOLEQUE – Bolo junino feito com rapadura escura e castanhas de caju.
PÉ DE PAU – Arvore.
PÉ DE PLANTA – Arbusto.
PEBA – 1. De má qualidade, feio, de mau gosto. “O teu carro é muito peba! “. Talvez em analogia com a feiúra do animal PEBA.
PEBADO – mesmo que lascado, fudido, liquidado, perdido. Nesse caso, a analogia vai para a situação do animal durante a implacável caçada com a utilização de cachorros de caça.
PEDIR PENICO – Desistir de alguma coisa por falta de coragem ou força. “O cara não aguenta mais, está pedindo penico…”
PEDUVIDO – Orelha. Usa-se, principalmente, para ameaçar alguém com um tapa nas oiças. “Se eu pego aquele moleque ele vai tomar um tabefe no peduvido!”.
PEGANDO SIRI – Calças compridas acima do tornozelo. “Homem elegante não anda com calça pegando siri!”.
PEGAR PELA BITACAS – Agarrar alguém energicamente com intenção de bater.
PEGAR TAINHA – Cochilar, pegar no sono em qualquer lugar. “O meu avô passa o tempo todo pegando uma tainha atrás da outra, na cadeira de balanço”.
PEI BUFO – Imediatamente, no ato. “Peguei a bola e pei bufo, fiz o gol!”.
PEIA – Surra, sova, pisa, derrota implacável. “O meu time levou peia novamente!”.
PEIDÃO – Cabra frouxo, medroso. “Esse jogador é um peidão, tem medo do adversário!”.
PEIDO AZEDO – Pessoa muito desagradável emtodos os sentidos. Sem graça, enjoada etc. “Não tem quem agüente aquela menina, parece um peido azedo!”.
PEITICA – Má sorte, mau agouro. “Não vá botar peitica no meu casamento”.
PEIXADA – Peixe cozido com legumes e ovos.
PELA MADRUGADA – Interjeição de espanto. Gíria leve, usada entre pessoas mais comportadas. “Pela Madrugada! Você ainda não fez o meu serviço”. Na realidade o que se pretende dizer mesmo é: “Puta que pariu rapaz você ainda não fez o meu serviço?
PELEJAR – Tentar exaustivamente.
PENSO – Torto.
PENTEADEIRA DE PUTA – Enfeitado.
PERAINDA – Forma sintetizada de: Espere ainda um pouco.
PEREBA – Pequenas erupções na pele.
PEREBENTO – Quem vive com erupções de pele. Curubento.
PEROBA – (ô) Homossexual. O mesmo que baitola ou viado.(gíria pesada) Não confundir com peroba, árvore muito conhecida.”Esse rapaz nunca gostou de mulher, sempre foi peroba!…”.
PETELECO – Gíria do futebol para chute fraco.
PICARDIA – Esperteza, sagacidade. “O goleiro evitou o gol na maior picardia”. 2. Elegância: “Olha aí! O cara vai a festa na maior picardia!”.
PILORA – Falecimento. “O velho caiu da escada e deu uma pilora!”.
PIMBA – Órgão sexual masculino.
PIMBADA – Ter relações sexuais. Dar uma pimbada.
PINAR – Ficar encostando sensualmente numa moça em lugares cheios de pessoas, como ônibus, estádios etc.
PINDAÍBA – Pobreza, liseira. “Estou na maior pindaíba”.
PINÓIA – Em “cearensês” serve como um eufemismo de palavrão. “Isto é uma pinóia, quem
foi que tomou a minha cerveja” o palavrão evitado seria, no mínimo, “porra”.
PINOTE – Salto repentino.
PINTA – 1. Órgão sexual masculino. 2. Boa aparência de uma pessoa. “O cara é boa pinta”.
PINTOSO – Cearense não acha homem bonito. No máximo admite que o cara é pintoso, ou que tenha uma certa pinta (boa aparência).
PIOCERÁ – Expressão criada da irreverência do cearense com o subdesenvolvimento da sua própria terra e do vizinho Estado do Piauí. A idéia de juntar os dois num estado só, que seria chamado “Piocerá”. A inversão, cerapió, também é usada com o mesmo sentido de gozação. 2. Rally dos sertões (Como o desenvolvimento vem chegando em ambos os Estados, o nome foi aproveitado
para denominar uma competição off-road). PIOCERÃO – Da mesma irreverência que surgiu o “Piocerá” (Piaui e Ceará), saiu esta brincadeira de juntar Piauí, Ceará e Maranhão, criando o Estado do Piocerão.
PIROCA – Órgão sexual masculino. Termo chulo. Muito usado referindo-se às crianças.
PISA – Ver Chibatada.
PITÉU – Mulher jovem e bonita, Coisa boa. “Este caldo tá só o pitél”
POR CIMA DA CARNE-SECA – Quem está em situação de mando ou financeiramente muito bem. “O homem agora está por cima da carne seca, é o presidente!”. Origem da expressão: Antigamente as mercearias, chamadas popularmente de bodegas, vendiam carne-seca em mantas (grande pedaço de carne), que ficavam sobre o balcão, ocupando quase todo o espaço. Como os merceeiros, supostamente, ganhavam muito e ficavam, literalmente, sempre sobre a manta de carne-seca, dando uma impressão de ricos e poderosos para os pobres fregueses, surgiu, por analogia, essa curiosa expressão.
PORRA-LOUCA – Irresponsável. Aquele (a) que só faz besteira.
PORRETA – Bom, excelente. 
PREGO EM BARRA DE SABÃO – O trabalho mais fácil que poderia existir. “Esse sujeito não prega um prego em uma barra de sabão e ainda critica os que trabalham!”.
PRESEPADA – Palhaçada. Confusão. Boneco (Veja: botar boneco). Situação ridícula.
PRESEPEIRO – Espalhafatoso, escandaloso.
PROVOCAR – Vomitar.
PUNHETA – Masturbação, bronha.
PUNHETEIRO – Aquele que gosta de bater punheta, masturbar-se.
PUTAMERDA – Interjeição de espanto, incredulidade ou chateação. “Putamerda agora pronto o carro quebrou de vez”.
PUTARAL – Quenguebal, grupo de putas.
PUTARIA GROSSA – Esculhambação, anarquia, desordem, imoralidade.
PUTO DA VIDA – Danado da vida, irritado, enfurecido.


Q


QUARTINHA – Jarro de barro para guardar água.
QUARTOTA – Embalagem portátil de aguardente, celular.
QUEBRANTE – Mau olhado. Mau agouro. “Cuidado esta mulher vai botar quebrante no teu filho”.
QUEIMA RAPARIGAL! – Grito de guerra, incentivo p/ as meninas agitarem.
QUEM GUARDA COM FOME O GATO VEM E COME – Máxima popular que demonstra a inutilidade de guardar, mesquinhamente, alguma coisa em prejuízo próprio.
QUEM NÃO PODE COM O POTE NÃO PEGA NA RODILHA – Quem não pode sustentar alguma situação não deve tentar. “Você não deve montar nesse cavalo, pois quem não pode com o pote não pega na rodilha!”.
QUENGA – O mesmo que prostituta porém, com
um sentido mais ofensivo. Puta.
QUENGO – Cabeça.
QUENGUEBAL – Grupo de quengas. Usa-se muito para xingamentos a grupos de mulheres. “Queima quenguebal”, como diz a humorista cearense Rossicléa.
QUINTURA – 1. Pessoa legal, competente, gente boa. “Este cara é quintura” 2. Calor, mormaço.

 

R


RABIÇACA (DAR UMA RABIÇACA) – Virar o rosto violentamente em sinal de desprezo.
RABICHOLA – Rabo, buchanca, bunda. “Aquela menina tem uma baita de um rabichola!”.
RABUGENTA – Pessoa muito ranzinza, impertinente, sempre zangada.
RACHA – Pelada de futebol com utilização de um “campo” improvisado, na praia, nas calçadas etc.
RAPAZ – Forma de tratamento independente de ser homem, mulher, cachorro ou criança.
RATA – Gafe. “Aquele apresentador cometeu uma rata”
REBOLAR – Jogar, atirar fora, é comum ouvir-se: “rebolar no mato” como sinônimo de jogar no lixo. Isso, naturalmente, vem da época em que as casas, sobretudo as do interior do estado (cidades do sertão cearense) tinham muito terreno em volta e as pessoas costumavam jogar qualquer coisa imprestável pela janela ou seja literalmente no mato.
REBOLAR NO MATO – Jogar fora, atirar.
REBORREIA – Resto, coisa que não presta.
REIADA – Pisa, tapa, surra, lapada. “O time levou uma reiada…”.
REIMOSO – Que não faz bem, carregado. “Não come isso não que é reimoso”.
RELAR – Variante do verbo ralar (colocamos aqui porque essa forma é mais usada no Ceará).Tocar de leve em outra pessoa, na maioria das vezes com segundas e sensuais intenções. As raras moças pudicas de hoje em dia costumam dizer: “Não rele em mim” quando os rapazes chegam muito perto.
REMELA – Secreção ocular.
RENDA – Malha de fios trabalhada à mão que serve para compor peças de roupa ou toalhas de mesa.
RESPEITE! – Expressão de admiração por alguma coisa. “Respeite o carro novo que o meu amigo comprou!”.
REZINA – Alguém que só quer tudo pra si. Sovina, avaro. (Outros: fominha, avarento, miserável, migalheiro, pica-fumo, muquirana, unha-de-fome, morrinha, seguro, zuraco, pão-duro, tranca, esganado, agarrado, mão-de-vaca, mão-fechada).
ROER A CORDA – Desistir de alguma coisa que havia veementemente prometido. “O cara falou que vinha jogar hoje mas roeu a corda”
ROLA-BOSTA – Pessoa sem nenhuma expressão, insignificante, João ninguém. “Esse sujeito não é nada na vida é um rola-bosta!”. 2. Nome de um inseto que se alimenta de esterco.
ROLADA – Ver cagaço.
ROSCOFE – Relógio de má qualidade. Emprega-se muito nas brincadeiras entre amigos. “Que horas são no teu roscofe?”.
RUELA – Ver Anel, carretel, etc.
RUMA – Um monte, uma grande quantidade de alguma coisa: “Eu pesquei uma ruma de
peixes!”.

 

S


SABACÚ – 1. Uma variação de cascudo. 2. Surra
SAI DO MÊI – Sai da frente.
SALIENTE – Pessoa enxerida, intrometida, metida a conquistadora. “Minha filha não vai sair com esse rapaz porque ele é muito saliente!”.
SALSEIRO – Confusão.
SANDUBA – Sanduíche.
SANGUE NO OLHO – Fala-se de quem é valente. “Melhor não se meter com aquele cabra, ele tem sangue no olho!”.
SAPECAR (VERBO) – 1. Jogar, atirar. Mais no sentido de agir energicamente. “Esse político safado merece é que eu sapeque um ovo podre nele!”. Não confundir com “sapeca”(adjetivo). 2. Assar demais a carne. “Esse churrasco está sapecado”
SARRABULHO – Sarapatéu, comida feita com sangue coagulado, fígado, rins e vísceras de porco, carneiro ou boi.
SE ABRIR – Sorrir, rir de alguma coisa engraçada. “Eu disse uma piada e a menina se abriu”.
SE MELAR – Ficar embriagado, bêbedo, bêbo, cheio-dos-paus, trubiscado, bunitim. “Olha aí, o bixim se melou com duas doses de cana”.
SEBO NAS CANELAS – Sair rapidamente de um lugar, correr fugindo de alguma coisa. “O moleque fez uma travessura e botou sebo nas canelas”.
SEM FUTURO – Mau negócio, pessoa despreparada.
SENTINA – Vaso sanitário. Pode significar também o próprio recinto sanitário (banheiro). “O menino passa o dia trancado na sentina, não sei o que ele faz lá!…”.
SEU MENINO – Tratamento dispensado a desconhecidos, adultos, do sexo masculino.
SEU ZÉ – O mesmo que Seu Menino (acima).
SIBITE – Passarinho muito pequeno, mirrado.
SIBITE BALEADO – Menino muito magro. “Este menino está muito magro, parece um sibite baleado!”.
SIMANCOL – Remédio imaginário que se recomenda pra quem não percebe que está dando uma mancada, cometendo uma ação inoportuna, uma gafe etc. “Você devia tomar simancol cara, não percebe que a moça não quer?”.
SÓ O BURACO E A CATINGA – Pessoa dismilinguida. “Ele pegou uma gripe tá que é só o buraco e a catinga.
SÓ O MI – Diz-se de alguma coisa muito boa.
SÓ O MI DISBUIADO – Coisa muito especial. “Rapaz, essa festa tá que é só mi disbuiado!”. A origem se encontra em: milho debulhado. Ou seja, só em caroços pra cabra preguiçoso comer sem ter o trabalho de debulhar.
SÓ O PITEL – Muito bom.Ótimo. Maravilhoso.” Rapaz, esta caninha está só o pitel!”.
SÓ OS QUEIXOS – Alguém completamente desdentado. Alguma coisa muito estragada.”O carro bateu e está só os queixos!”.
SOPA NO MEL – Situação em que uma coisa vem de encontro à outra de modo ideal. “Eu estava gostando da menina e descobri que ela também estava gostando de mim. Foi sopa no mel!”.
SOPAPO – Soco, tapa, tabefe.
SUSTANÇA – Energia dos alimentos. “Rapadura tem sustança”.


T


TABACO – 1. Fumo em pó (para aspirar) ou de rolo, usado para mascar.2. Pode significar também o órgão sexual feminino.
TABARÉU – Caipira, abestado, beradeiro.
TABEFE – Tapa violento. “Vou dar uns tabefes neste cabra”
TABOCADA – Erro muito grande, irrecuperável. “Comprar esse carro foi a maior tabocada, o motor não presta!”.
TAMBURETE-DE-FORRÓ – Indivíduo baixinho, batoré, tampinha.
TAPIOCA – Espécie de bolinho, com formato achatado como uma panqueca, feito de massa de goma (um dos subprodutos da mandioca) levemente prensada contra a chapa de pedra ou cimento do fogão à lenha. 2. Apelido dado aos marinheiros por causa da boina branca e chata, semelhante a uma tapioca.
TEJE PRESO – Voz de prisão no linguajar do sertanejo cearense. “Teje preso cabra!”.
TEM É ZÉ! – Alguma coisa trabalhosa, demorada, difícil. “Pra esse Governo dar um aumento aos servidores, tem é Zé!”.
TIBUNGO – Refere-se ao som de alguma coisa caindo em um poço d’água, lagoa etc. “O menino estava na beira da cacimba e tibungo dentro”.
TINHOSO – Pessoa extremamente teimosa, implicante ou valente. Pode ser também o demônio, o cão, o lúcifer. “o cabra é muito tinhoso, cuidado com ele”.
TIRAR ÁGUA DO JOELHO – Urinar, mijar.
TIRIRICA – Estar com muita raiva de alguém. “Estou tiririca com você!..”.
TODO(A) ERRADO(A) – Situação em que a pessoa está muito envergonhada e sem saber o que fazer. “Fulano ficou todo errado quando eu disse aquilo”
TORADO – 1. Louco por alguma coisa, viciado, verminoso “O cara é torado pela mulher do vizinho!. 2. Cortado, quebrado. “Meu cinto torou bem no meio”
TRAÇAR – Linguagem do futebol, o mesmo que driblar. “Ninguém sabia traçar melhor do que o Garrinha!”.
TRISCAR – Tocar.
TROLETADA – Trombada, pancada, chibatada. “O jogador do Fortaleza deu uma troletada no do Ceará e o juiz não marcou nada!”.
TRONCHO – Torto, desengonçado. “O cara anda todo troncho depois da surra que levou!”.
TRUBISCADO – Meio bêbado, levemente embriagado.
TU LA CHUPA NADA! – Você não é de nada!


U


ÚLTIMO TIRO NA MACACA – Diz-se de uma mulher que completou 30 anos e não casou. 
UM OLHO NO PEIXE E O OUTRO NO GATO – Ficar muito atento a uma situação sem se desligar de outra. “Estou lendo, mas muito atento ao namoro da menina, com um olho no peixe e o outro no gato…”.
UMA PINÓIA – Uma ova! “Vai uma pinóia que você vai ganhar de mim!”.
URUBUSERVAR – Olhar atentamente.
URUBUZAR – Agourar, desejar má sorte, “pôr olho grande” na vida dos outros.


V


VÁ CACHIMBAR MOLAMBO – Expressão antiga, uma maneira suave de dizer: “Vá perturbar outro!”.
VÁ ENCHER O SACO DO CÃO COM REZA – Vá aporrinhar (apoquentar) outro.
VÁ NUM PÉ E VOLTE NOUTRO – Vá e volte rapidamente.
VÁ PRA PONTE QUE CAIU – Um eufemismo para: “Vá pra puta que pariu!”. Coisa de gente mais comportada que se contém a custo para não apelar para a expressão mais chula.
VÁ SE LASCAR – O mesmo que vá se danar (se dar mal).
VACILAR – Cometer um erro. Enganar-se.
VARA DE ESPANAR A LUA – Pessoa muito alta. Varapau.
VARAPAU – Pessoa muito alta. “Tem doze anos e já é um varapau!”.
VEÍNHA – A mãe, nas respostas aos xingamentos. “Abestado é a veinha!”.
VERMINOSO – Viciado, torado por alguma coisa. “O meu amigo é um verminoso, não larga o cigarro!”.
VEXADO – (alguns dizem avexado) Apressado, azafamado. Nota: no português formal, significa: Envergonhado.
VIADO – Baitola, peroba (o). Em cearensês a palavra é viado e não veado como nos dicionários de português. Veado, no Ceará, continua sendo o animal sem nenhum problema.
VISAGE – Fantasma, aparição.
VITALINA – Moça que já possui certa idade e continua solteira.
VIXE! – Virgem Maria.
VOZ DE TABOCA RACHADA – Voz com timbre desagradável. “Essa cantora tem uma voz de taboca rachada!”.

 

X


XABOQUE – Pedaço retirado, com violência, de alguém ou de alguma coisa “Chico levou uma topada que arrancou o chaboque do dedo”
XAMBREGADO – (ou xumbergado) Cheio dos paus, embriagado.
XAMEGO – Namoro muito agarrado. “Aquela menina gosta muito de um xamego”.
XERÉM – Fubá de milho. Milho pilado.
XERETA – Que gosta de ficar sempre observando a vida alheia (xeretando).
XEXEIRO – Caloteiro.
XODÓ – Uma paixão muito doce.”Essa menina é o meu xodo’!”.


Z


ZAMBETA – Cambota.
ZÉBEDEU – Embora seja nome oficial de alguns indivíduos e apelido de outros, é também um pejorativo usado quando se pretende “diminuir” (menosprezar) a pessoa.” É um zebedeu “ou seja, um pobre coitado.
ZERADO – Qualquer coisa nova, sem uso.
ZERO-CABAÇO – Virgem, donzela. “Pra ter certeza que uma garota é zero-cabaço, só experimentando!”. (O exemplo é uma das muitas piadas do cearense sobre virgem ou moça como são denominadas em cearensês).
ZOADA (ZUADA) – Barulho, “O cearense raramente fala barulho. “menino deixa de fazer zuada”
ZÓI – Olho.
ZÓLHO – Forma plural, embora sem o “s”, de olhos.
ZÓVO – (Forma plural) Os ovos.
ZUADENTO – Barulhento.
ZUNHA – (Forma plural) As unhas. “Vamos fazer as zunha”
ZURÊIA – (Forma plural) As orelhas.
ZURUÓ – Abestalhado, abobado.
ZUVIDO – (Forma plural) Os ouvidos.